Mostrando postagens com marcador A Viúva de Naim e o Encontro com a Vida. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador A Viúva de Naim e o Encontro com a Vida. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 4 de abril de 2012

A viúva de Naim e o encontro com a vida.


A viúva de Naim e o encontro com a vida.

Paz e graça a todos em nome de Jesus!

Para nosso elevo espiritual quero meditar com você em mais uma maravilhosa historia bíblica. Boa leitura!

"E aconteceu que, no dia seguinte, ele foi à cidade chamada Naim, e com ele iam muitos dos seus discípulos, e uma grande multidão;
E, quando chegou perto da porta da cidade, eis que levava um defunto, filho único de sua mãe, que era viúva; e com ela ia uma grande multidão da cidade.
E, vendo-a, o Senhor moveu-se de íntima compaixão por ela, e disse-lhe: Não chores". Lucas 7:11-13.


O filho da viúva de Naim



Caro irmão e amigo, amada irmã e amiga, na Bíblia encontramos de forma detalhada cerca de 35 milagres realizados por Jesus, na verdade existem inúmeros milagres operados por Ele que não foram registrados com detalhes, conforme disse o apóstolo João, "Há, porém, ainda muitas outras coisas que Jesus fez; e se cada uma das quais fosse escrita, cuido que nem ainda o mundo todo poderia conter os livros que se escrevessem. Amém". João 21:25, porém, o que aconteceu na cidade de Naim me chama a atenção pela preciosa mensagem que o tema apresenta. 

A Viúva.

Na cidade de Naim (Israel) havia uma mulher que passou por momentos de muita dor e sofrimento devido a morte de seu marido, essa mulher agora viúva, era mãe de um único filho que de igual modo sentia também a falta do pai. 
Segundo o costume judaico quando um chefe de família morria, o seu primogênito, ou seja, o filho mais velho ficava responsável por toda família, o primogênito era o sucessor herdeiro de tudo que o pai havia produzido, tanto os bens como as dividas e obrigações. Sendo assim, aquele rapaz havia se tornado o "sustentáculo" do lar e com a responsabilidade de trabalhar para suprir e proteger a família. 
Para aquela pobre mulher aquele filho era tudo que restou, era seu amparo e consolo, o seu protetor. A presença daquele moço tinha um peso muito simbólico na tradição judaica e muito importante do ponto de vista pessoal e social para aquela mulher, afinal de contas, ele lhe fazia sentir amparada, protegida e consolada pela perda de seu marido.
Mas, caro leitor (a), aquela viúva não imaginava que o dia mais triste de sua vida, e também o mais feliz ainda estava por vir, afinal de contas nenhum pai ou mãe espera enterrar seus filhos, é normal que os pais morram antes que os filhos, né verdade? Mas, essa máxima não se deu nessa ordem no lar daquela viúva.
A Bíblia nos revela que o filho daquela viúva também morreu e tamanha foi a sua angustia e desespero, quem sabe dizia aos prantos: "Oh Yhaweh porque levaste meu filho?" "E agora que será de mim? Não tenho mais ninguém!" A Bíblia não revela se já havia muito tempo que o marido daquela mulher tinha falecido, e agora perdera também seu único filho, aquele que lhe dava amparo, proteção e mantimento, a pobre viúva perdeu o seu único herdeiro que dava continuidade a família e a memória de seu pai naquela sociedade. Só quem já passou por